O surgimento e o desenvolvimento da mamografia

Radiologist reviewing results of patients mammogram

Dezoito anos após o surgimento dos raios-x, começaram a ser feitas radiografias de lesões mamárias. A primeira foi realizada por Albert Salomon, cirurgião alemão, que radiografou peças cirúrgicas, obtidas de cirurgias de mastectomia e encontrou pequenos pontos denominados de “microcalcificações”.

A mamografia é uma técnica radiográfica que faz uso de um tubo de raios X, com características específicas e que está acoplado a um arco móvel, o qual possibilita um direcionamento angular do feixe adequado aos diversos tipos de incidência: médio-lateral-oblíqua, crânio-caudal etc. O sistema mamográfico possui ainda uma bandeja de compressão cuja finalidade é homogeneizar a espessura da mama e mantendo-a imóvel ao mesmo tempo. O sistema de detecção faz uso do tradicional conjunto telafilme. No entanto, o filme de mamografia deve ser especial e de alto contraste para que possa compensar o baixo contraste inerente ao tecido mamário. A técnica radiográfica empregada é de baixa quilovoltagem e alta miliamperagem.

A primeira máquina dedicada à mamografia foi lançada em 1966. Até então, as imagens mamográficas eram produzidas por máquinas convencionais de raios-X, que produziam imagens muito pobres e aplicavam altas doses de radiação no paciente. Após o surgimento da primeira máquina, diversas empresas passaram a fabricar modelos semelhantes e deram origem à primeira geração de mamógrafos.

Em 1977, surgiu um novo modelo, que trazia tubos de raios X, possuindo dois pontos focais: um de tamanho nominal igual 0,45mm para a mamografia convencional de contato com o filme e outro chamado de microfoco, de tamanho nominal igual a 0,09mm, próprio para a realização de projeções ampliadas de regiões da mama. A segunda geração de mamógrafos teve início em 1980 e reduziu significativamente o tempo de exposição e a confiança do paciente durante o procedimento.

No Brasil, o surgimento da mamografia está intimamente associada ao Instituto Brasileiro de controle de Câncer (IBCC) que, em 1971, trouxe o primeiro mamógrafo para o país equipamento que protagonizou uma das maiores conquistas da mastologia no país.

O mamógrafo deve ser operado por um profissional de radiologia, para garantir a segurança do paciente e do operador. O exame é seguro e não coloca a saúde do paciente em risco. A mamografia é indicada, geralmente, para mulheres a partir dos 40 anos, como prevenção ao câncer de mama. As mulheres também devem fazer regularmente o autoexame de toque.