Alunos defendem TCCs e professor da Maxim elogia trabalhos

Cintia e Diego apresentam seu TCC

Cintia e Diego apresentam seu TCC

O último sábado (25) foi de muito nervosismo e aprendizado para os alunos da pós-graduação em Proteção Radiológica no Rio de Janeiro. Eles apresentaram seus Trabalhos de Conclusão de Curso para uma banca formada por professores e especialistas na área de radiologia e radioterapia. Além da apreensão por apresentarem os trabalhos produzidos nos últimos meses de curso, os alunos também tiveram que lidar com a ansiedade para concluir a pós.

Cintia dos Santos Nascimentos, 34 anos, e Diego Américo Pires de Souza, 32 anos, entraram na pós com o objetivo de se tornarem especialistas em proteção radiológica. Cíntia é tecnóloga em radiologia e pretende, agora pós-graduada, atuar nessa área: “a radiologia industrial e a proteção radiológica são campos em desenvolvimento no Brasil e têm mercados de trabalho muito abrangentes e por isso busquei essa pós”. Já Diego é técnico em radiologia e formado em farmácia e tem o desejo de trabalhar com radio fármaco. Para isso, é necessária a certificação da CNEN e ele viu na Maxim o melhor lugar para se preparar: “na faculdade de farmácia não é ensinada a parte de proteção radiológica. Fiquei sabendo que tinha Maxim aqui no Rio e resolvi fazer. Me surpreendi com a qualidade dos professores e do curso”.

Em dupla, eles apresentaram o trabalho “Panorama do uso e da Proteção Radiológica de equipamentos de inspeção corporal no Brasil”, fazendo uma análise do uso dos bodyscans no nosso país. De acordo com a banca, esse é um tema de extrema importância e pouco explorado pelos pesquisadores. Cíntia concorda e pretende levar a pesquisa adiante: “tirando o nervosismo, foi excelente fazer e apresentar esse trabalho. O bodyscan é um equipamento ainda pouco utilizado no Brasil, mas que tem uma grande possibilidade de crescer. Só falta a implementação da legislação. A intenção é fazer os ajustes que a banca pediu e seguir com essa pesquisa, apresentando em congressos, seminários, etc”, conta ela.

Ao todo, oito trabalhos foram apresentados no sábado. “Os temas apresentados foram de excelente nível e grande interesse acadêmico. De certo que todos eles serão fontes bibliográficas para outros alunos”, argumentou o professor da Maxim, Francisco César. Cinco professores foram responsáveis por analisar as monografias, sendo dois doutorados e três mestrados.

Tendo como base a proteção radiológica, os aspectos abordados nos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs) foram: os relacionados a nova tecnologia de inspeção não invasiva de cargas e corporal, os chamados cargo scan e body scan, muito utilizados nos areoportos e presídios;  o uso da tecnologia de roadmap para o transporte de radioacidentado durante uma emergência radiológica, que pode ser usado para uma ação mais rápida e coordenada, bem como para treinamento de pessoal; o panorama dos medidores nucleares no Brasil, abordando os principais aspectos de proteção radiológica, tendo como base o programa da prova específica da CNEN para o credenciamento de supervisores; o uso dos monitores identificadores portáteis em segurança radiológica, que são largamente utilizados em grandes eventos e que serão muito úteis nas Olimpíadas 2016; o gerenciamento de proteção radiológica em radioterapia, apresentando os principais aspectos para melhoria do nível da proteção radiológica; e uma análise dos níveis de radiação em um acelerador de elétrons auto-blindado para tratamento de polímero, demonstrando o nível de segurança radiológica para esse tipo de equipamento muito utilizado no Brasil.

“Os alunos e os orientadores estão de parabéns pelo esforço realizado. Esperamos grandes conquistas individuais no futuro”, comemorou Francisco.